sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

A Criança e a vida , Mª Rosa Colaço, 1972 extertos do livro

....Ensinaram-me que , quando se é humilhado naquilo que em nós é claridade e certeza, aprende-se mais depressa o sentido exacto da liberdade, da paz, do ódio,do amor e do ridículo do quotidiano. Eles revelaram-me que a miséria transforma as crianças ,mais que os adultos, em anjos implacáveis de lucidez e que a fome os ateia e lhes faz crescer nos olhos brancas e terríveis asas de sonho ou destruição.E há nestes anjos de fogo uma voz oculta e violenta em que é preciso,é urgente, meditarmos. Ela pode denunciar, construir ou semear, a alegria , a vergonha ou o remorso.
Ela pode ser a semente da Esperança, da Paz entre os homens.
Ela pode ser o Ódio.
Ela pode ser o Amor.

Mª Rosa Colaço


Pequenino, com dois olhos redondos onde o sol morava.
Uma vez entrou na sala a correr. Levou a mão ao bolso das calças e gritou senhora!Uma coisa para si!
E com mil cuidado, embrulhado num bocadinho de jornal, tirou então a prenda mais espantosa que me deram em toda a minha vida:uma asa de gafanhoto!
Foi o primeiro poema que li do António Joaquim

Mº Rosa Colaço

4 comentários:

  1. Alex

    Já tinha comentado este post mas não ficou gravado.

    Este post pode ser lido em diferentes angulos porque existe uma curta distância entre o amor e o ódio e entre a construção e a destruição.
    Algo como um bater de asas ou um soprar do vento mas que traz um campo semeado por múltiplas influências.
    Porém como diz Jean Paul Sarter: " O indivíduo pode sempre fazer alguma coisa daquilo que os outros fizeram dele".

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Alex

    Vou repetir o comentário anterior porque está enguiçado. A citação saiu com erros.


    "Este post pode ser lido em diferentes angulos porque existe uma curta distância entre o amor e o ódio e entre a construção e a destruição.
    Algo como um bater de asas ou um soprar do vento mas que traz um campo semeado por múltiplas influências.
    Porém como diz Jean Paul Sartre: " O homem pode sempre fazer alguma coisa daquilo que os outros fizeram dele".

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Boas tardes Alex

    Procurei este livro - que comigo correu mundo - na internet a propósito de um video que estava a publicar.

    Conheci o vosso blogue ao qual me sinto muito ligada, assim como a comentários que aqui estão fazendo.

    Espero que não se importe de eu ter saqueado alguns excertos, mesmo aqueles que eu procurava.

    Uma sincera apreciadora

    ResponderEliminar