sábado, 28 de fevereiro de 2009

A CANÇÃO DESESPERADA

Emerge a tua lembrança desta noite em que estou.
O rio junta ao mar o se lamento obstinado.

Abandonado como como os cais na madrugada.
É a hora de partir, ó abandonado!

Sobre o meu coração chovem frias corolas.
Ó porão de escombros, feroz caverna de náufragos!

Era a negra , negra solidão das ilhas,
e ali, mulher de amor , teus braços me acolheram.

Era a sede e a fome , e tu foste uma fruta.
Era o luto e as ruínas, e tu foste o milagre.

Ah mulher, não sei como pudeste conter-me
na terra da tua alma e na cruz dos teus braços!

O desejo de ti foi o mais terrível e curto.
O mais revolto e ébrio, o mais tenso e ávido.

Cemitério de beijos, ainda tens fogo nas tumbas,
ainda as uvas ardem debicadas por passáros.

Oh a boca mordida, oh os beijados menbros,
oh os famintos dentes,oh os corpos trançados.

Oh a cópula louca de esperança e de esforço
em que nós nos juntámos e nos desesperámos.

E a ternura, leve como a água e a farinha.
E a palavra que quase nem nascia nos lábios.

Foi esse o meu destino e nele viajou a vontade,
e nele caiu a vontade, tudo em ti foi naufrágio!

De tombo em tombo tu ardeste e cantaste.
Marinheiro de pé na proa dum navio.

Ainda floresceste em cantos, ainda rompeste em correntes.
Ó porão de escombros, poço aberto e amargo.

Pálido mergulhador cego, desventurado fundeiro,
descobridor perdido, tudo em ti foi naufrágio!


É a hora de partir, a dura e fria hora
que a noite prende a todos os horários.

O cinturão ruidoso do mar abraça a costa.
Surgem frias estrelas, emigram negros pássaros.

Abandonado como o cais na madrugada.
Apenas a sombra trémula se me torce nas mãos.

Ah para além de tudo. Ah para além de tudo.

Ê a hora de partir. Ó abandonado.



Pablo Neruda, in Vinte Poemas de Amor
e uma Canção Desesperada

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

A Criança e a Vida, excertos,1972, Mª Rosa Colaço

Este foi o meu primeito livro de poesia tenho-o à quarenta anos , no ciclone das minhas muitas vidas acompanhou-me sempre assim como a pessoa que me o ofereceu nunca o partilhei foi sempre uma especie de tesouro só meu. Hoje sinto-me no dever de o divulgar de o oferecer especialmente a duas estrelinhas pequeninas e brilhantes que não conheço mas amo .Estes meninos hoje são homens e mulheres muito mais velhos que eu.Penso que conseguiram escrever poesia imtemporal.
Obrigada MªRosa Colaço, professora de coração.
Tenho a certeza que estás num lugar maravilhoso construido pelas mãos pequeninas dos teus alunos.

A Criança e a vida , Mª Rosa Colaço, 1972 extertos do livro

....Ensinaram-me que , quando se é humilhado naquilo que em nós é claridade e certeza, aprende-se mais depressa o sentido exacto da liberdade, da paz, do ódio,do amor e do ridículo do quotidiano. Eles revelaram-me que a miséria transforma as crianças ,mais que os adultos, em anjos implacáveis de lucidez e que a fome os ateia e lhes faz crescer nos olhos brancas e terríveis asas de sonho ou destruição.E há nestes anjos de fogo uma voz oculta e violenta em que é preciso,é urgente, meditarmos. Ela pode denunciar, construir ou semear, a alegria , a vergonha ou o remorso.
Ela pode ser a semente da Esperança, da Paz entre os homens.
Ela pode ser o Ódio.
Ela pode ser o Amor.

Mª Rosa Colaço


Pequenino, com dois olhos redondos onde o sol morava.
Uma vez entrou na sala a correr. Levou a mão ao bolso das calças e gritou senhora!Uma coisa para si!
E com mil cuidado, embrulhado num bocadinho de jornal, tirou então a prenda mais espantosa que me deram em toda a minha vida:uma asa de gafanhoto!
Foi o primeiro poema que li do António Joaquim

Mº Rosa Colaço

POEMA A UM HOMEM MORTO NA PRISÃO

Homem morto na prisão
nesta terra escura e fria
com teu corpo gelado
com essas mãos duras e olhos de fome
com o coração a morrer
pela liberdade.
Vais esperando que amanhã
uma estrela te venha buscar e te leve pelo horizonte
onde não há pobres nem ricos
e todos os corações
estarão por um momento
à espera que volte contigo
esse sonho

Fernando Brás

TERESA MORTA NA TERRA

Uma menina chamava-se Teresa.
Tinham-lhe espetado o coração.
Estava morta.
A mãe o pai e o avô e a avó e a tia
choravam.
A menina tinha saudades da praia.
Debaixo da terra estava quente e o sangue foi para a terra.
Depois, na cabeça, nasceu uma flor preta.
Estava com pena.
E as pessoas passavam e não sabiam que estava ali aquela menina.
Só os pássaros sabiam. E o sol sabia, porque está no céu e vê tudo.


Maria da conceição
6 anos

A PELE DUM HOMEM

Isto é um mapa feito com a pele duma pessoa.
Era um negro
Gostava de pássaros,Deus, e dos tigres.
Gostava dos tigres porque não tinha medo.
Um pastor tinha cortado a pele dele.
A pele dele parecia um mapa porque levava pancada
Isto aqui é sangue.
Isto aqui é capim que ficou agarrado ao sangue.
Isto faz tristeza.
Tristeza é vontade de chorar.

Alberto
1966

SÂO MÃOS QUE TRABALHAM

São mãos que trabalham.
São de homens que puxam barcos, guiam máquinas,arrancam pedras, martelam nas ruas.
Estas mãos têm dores.
As mãos com feridas têm saudades da água fresca,das flores, da língua de um cão, das penas de um passarinho.
Os homens destas mãos são tristes. Têm fome, têm sede, gostavam de acordar um dia e descansar de manhã á noite.
Gosto muito das mãos das pessoas que trabalham.
Estas mãos fazem lembrar um coração com susto.


Miguel Macedo
1966

HISTÓRIA DE MARIA

Esta mulher é Maria.
Está a gritar porque está com fome.
Não come há trés dias, porque não tem coisa para comer
Era pobre.
Era muito pobre como aquela gente toda que não tem comida.
E ela não faz nada.
Ela não podia fazer nada . Só chorar.
Depois caiu em baixo e morreu.
E tinha fome ainda.
Quando chegou outra gente,chorou no coração.
Chorou muito e fala assim:minha irmã Maria morreu.
Morreu nossa irmã Maria!
Mãe de Maria, lá na terra dela, chorou também.
E outras crianças pensavam: não é bom, não, ter sempre tanta fome.
E Maria morta,pensava:
em cima da terra toda, tem tanta comida, porque foi que eu morri com tanta fome?

Francisca
8 anos raça negra

CARTA À MINHA PROFESSORA

POMBO AZUL
estou triste
tenho tristeza em mim
tenho saudades dos dias verdes e alegres.
Escrevo sentado
numa escola triste
a única alegria é este sol pintado
que deixou na parede
mas está velho
tem as suas pernas partidas
a sua cara tapada.
Perdi a única esperança
a minha única amiga
tenho apenas tristeza
vejo as paredes do meu coração
cheias de musgo
gosto da alegria mas nunca mais a encontrei
fugiu na boca do nosso pombo azul
não poderei fazer mais poemas
este é o último da minha vida.
sinto
que morro de tristeza


Victor Barroca Moreira

PÁGINA DO MEU DIÁRIO

Hoje,dia 11 de Março, vou escrever o meu diário.
Ontem, quando vinha a caminho da escola, ouvi gritos e disse cá para mim:não deve ser nada de especial.Mas enganei-me. Quando acabei a palavra, um monte de mulheres e homens acorriam aos gritos . Fui ver.
Era um pobre rapaz que levava uma tareia e dúzias de pontapés, até na boca, por um homem que não era da família.
Por que será que lhe bateu? Teria feito algum crime?
Ora, pobre rapaz: porque tinha muita fome e tirou um papo-seco.
Bem se vê que nunca passaram fome.



Fernando Filipe Brás Lopes

HISTÒRIA DUM GAFANHOTO E DUMA BORBOLETA AZUL

Uma vez estava um gafanhoto sentado numa pedra cor-de-rosa, quando passou uma borboleta azul. Dum azul tão lindo que até faz doer os olhos. A borboleta que voava baixo viu o gafanhoto sentado e triste. E disse-lhe depois de hesitar um momento, um momento pequenino:
-Porque estás triste?
Então respondeu o gafanhoto:
-Não hei-de estar triste aqui sòzinho, nesta planicie imensa onde não se vê mais nada do que o céu e esta terra cor de sangue?
-Então vem comigo. Verás que não te arrependes.
Anda ,vem! E verás mais do que este céu azul e esta cor de sangue.Verás coisas que nunca viste: pássaros ,amarelos,azuis,encarnados e mais, muito mais.
Verás árvores cor-de -rosa.
Lá é sempre Primavera.
E quando iam quase a chegar ao seu destino, lá no alto, a morte veio e levou-os nos seus braços grandes.
E era tão bom que o gafanhoto disse: afinal não me enganaste.Aqui é um mundo novo.
E nunca mais ficou triste.

raul joão
10 anos

UMA VIAGEM À LUA

Despedia-me do meu pai e da minha mãe.Preparava as malas e ía para a lua.
Quando lá chegasse falava com Deus e os anjos.
Ficava lá com os meus companheiros e nunca mais voltava porque encontrava os anjos a cantar e as estrelas ali mesmo ao pé.
Porque lá não havia guerra e lá estava muito sossegadinho e não havia misérias, nem morria ninguém.


Manuel Miranda
8 anos

O AMOR

O amor é uma paisagem de reflexo na alma.
O amor é verde como a esperança.
O amor é o carinho, a alegria a verdade.
O amor da Pátria, é lutar contra a Pátria dos outros.
O amor é alga pintada de espuma no mar profundo.
O amor veste-se de cores do sol.
O amor da mulher é a paisagem do homem.


Victor Figueiredo
10 anos

O AMOR

O amor é como duas borboletas que estivessem
sobre uma rosa, a mais linda de todas do jardim.
O amor tem que haver.
Se não houvesse amor não havia nada bonito.
O amor são duas duas estrelas a brilhar, a brilhar.
A rosa e o sol são o amor.
O amor é a poesia.
O amor são dois passarinhos a construir a sua casinha.
O amor é não haver polícias.

Inácio da silva cruz
10 anos

O AMOR

O AMOR É UM PÀSSARO VERDE

NUM CAMPO AZUL

NO ALTO

DA MADRUGADA



Victor barroca moreira
9 anos

O QUE É UM ANJO?

-É um menino que morre e nasce asas.
Vasco Manuel,4 anos

-É um homem que tem o sol pendurado atrás da cabeça.
Fernando Brás,6 anos

-É um homem que vestido de mulher que tem duas asas e voa

-Anjos são os criados de Deus

-São pássaros vestidos de homem que estão no céu para cantar.

-Anjos são meninos sem botas que dão cambalhotas nas nuvens.

-É um pássaro cantador.

O QUE É A VIDA?

-A vida são pássaros a cantar.
Mª joão Amaral

-A vida é a paz.
Iondith

-A vida são as meninas que estão lá fora a fazer rodas.
Vasco Manuel

-A vida é alegria e sol.
Isabel Serrano

O QUE È A TRISTEZA?

-É estar quase a chorar.
-É ter pena.
Paulinho

-É quando se morre.
Alexandre

-É as mães baterem.
Isabel Serrano

-Uma parede velha.Apaga a luz do corredor
Um cão debaixo do carro é triste.
Vasco Manuel

-É um pássaro que tapa tudo à noite.

-É um cocoana pobre. Fica triste de passar fome de muito tempo.
Jorge Santos

O QUE É SER VELHO?

- Gasta muitos dias no trabalho,fica velho.
Zé Silva

-É a gente trabalhar muito e ficar cansado
Luís Vidal

-É ser avô e depois morre.
Paulo Casanova

-É quando o corpo fica todo estragado.
Mª de jesus

- Pessoas velhas são as que nos batem
(?)

-É uma pessoa na terra.
Vasco Manuel

O QUE É O ESCURO?

-É um pássaro que tapa tudo à noite
Jorge, 6 anos

-Um passarinho dorme,é escuro.
Apaga a luz do corredor, é escuro.
Ficar muito triste, muito triste,é escuro
Vasco Manuel,3 anos

-É uma toalha do céu que tapa tudo.
Luís Vidal

-É logo à noite.
Mª de Jesus

-É um bicho que vem do mato e tapa o sol.
Zé Silva , 6 anos

-É uma bruxa que faz susto aos meninos que não dormem.
Eva

-Escuro é a morte.
Alberto

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

SONÊTO DE FIDELIDADE

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zêlo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face de maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu pranto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte,angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal,pôsto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Vinicius de moraes

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

KANT E O UTILITARISMO

Kant rejeitou «as contorções de serpente do utilitarismo» porque, afirmou, a teoria é incompatível com a dignidade humana. Em primeiro lugar, leva-nos a calcular como usar as pessoas como meios para atingir um fim, e isto não é permissível.Se prendermos um criminoso de maneira a manter o bem-estar da sociedade, estamos apenas a úsa-lo em beneficío dos outros.

James Rachels,
Elementos de Filosofia Moral

A IMPORTÃNCIA DAS RELAÇÕES HUMANAS

Os utilitaristas que ,como Bentham, acreditam que a felicidade é unicamente um estado de espirito bem- aventurado ficam sujeitos a outra objecção.A sua teoria sugere que o mundo seria moralmente melhor se se misturasse no abastecimento de água uma droga como ecstasy, provocando alterações no estado de espirito, mas aumentando o prazer global.No entanto, quase toda a gente acha que uma vida com menos momentos bem-aventurados, mas com possibilidade de escolher como os atingir, seria preferível a esta situação e que a pessoa que misturasse a droga ao fornecimento de água teria feito algo de imoral.
Considere, ainda, outro caso díficil para o utilitarista . Enquanto Kant afirma que devemos manter as nossas promessas sejam quais forem as consequêcias, os utilitaristas calculariam a felicidade provável que resultaria , em cada caso, de manter ou faltar às promessas, agindo depois em conformidade com o resultado do cálculo. Os utilitaristas poderiam muito bem concluir que, nos casos em que soubessem que os seus credores se haviam esquecido de uma dívida e que não seria provável que alguma vez se lembrassem dela, seria moralmente corecto não pagar a dívida .A maior felicidade de quem fica a dever,, em função do seu aumento de riqueza, pode muito bem ultrapassar qualquer infelicidade que sentisse em relação a enganar os outros. E o credor não sentiria, presumivelmente, nenhuma ou quase nenhuma infelicidade, uma vez que se teria esquecido da dívida.
Mas,em tais casos, a integridade pessoal parece constituir um aspecto importante da interacção humana.

Nigel Warburton,

Elementos básicos da Filosofia

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

SOU FELIZ

Deus é assunto delicado de pensar, faz
conta um ovo: se apertarmos com força
parte-se, se não seguramos bem cai.
(Dito do avô Celestiano,reiventando
um velho provérbio macua)


Sou feliz só por preguiça.A infelicidade dá uma trabalheira pior que doença:é preciso entrar e sair dela, afastar o que nos querem consolar, aceitar pêsames por uma porção da alma que nem chegou a falecer.
-Levanta ,ó dono das preguiças.
-Preguiçoso? Eu ando é a embranquecer as palmas das mãos.
-Sabe uma coisa, Dona Luarmina? O trabalho é que escureceu o pobre do preto. E,afora isso, eu só presto para viver....
Ela ri com aquele modo apagado dela. A gorda Luarmina sorri só para dar rosto à tristeza.
-Você Zeca Perpétuo, até parece mulher...
-Mulher,eu?
-Sim mulher é que senta em esteira. Você é o único homemque eu vi sentar em esteira.-Que -Quer vizinha? Cadeira não dá geito para dormir.
Ela se afasta, pesada como um pelicano, abanando a cabeça. Minha vizinha reclama não haver homem com miolo tão míudo como eu.Diz que nunca viu pescador deixar escapar tanta maré:
-Mas você, Zeca: é que nem faz ideia da vida.
-A vida Dona Luarmina? A vida é tão simples que ningúem a entende. É como dizia meu avô Celestiano sobre pensarmos Deus ou não-Deus...
Além disso,pensar traz muita pedra e pouco caminho.Por isso eu, reformado do mar o que me resta fazer?Dispensado de pescar ,me dispenso de pensar. Aprendi nos muitos anos de pescaria: o tempo anda por ondas. A gente tem é que ficar levezinho e sempre apanha boleia numa dessas ondeações.
Não é verdade, Dona Luarmina? A senhora sabe essas línguas da nossa gente. Me diga minha Dona: qual a palavra para dizer futuro?
Sim, como se diz futuro? Não se diz, na língua deste lugar de África. Sim, porque futuro é uma coisa que existindo nunca chega a haver.Então eu me suficiento do actual presente.E basta.

Mia Couto in Mar me Quer

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

TRANSMISSÃO DO VHC

O VHC transmite-se sobretudo quando o sangue infectado entra directamente na corrente sanguínea.A saliva e as lágrimas não são infecciosas.
O vírus da hepatite C é um vírus mais resistente e mais pequeno que o VIH.
Pode sobreviver numa seringa durante vários dias ou semanas e pode ser transmitido através de outros materiais de injecção como caricas, colheres, algodões e água.
A infecção pode ser também transmitida através da partilha das palhinhas ou notas para "snifar" drogas e também dos cachimbos para fumar crack.
A principal medida para impedir o contágio da hepatite C foi tomada em 1991 com a introdução do rastreio dos dadores de sangue .A fonte mais importante de transmissão agora é sem dúvida a toxicodependência.
As transmissões por via sexual , picada acidental e a transmissão materno-infantil são rarissímas.
Importante referir que são potenciais fontes de contágio, se os materiais não forem descartáveis ou se os instrumentos não forem devidamente desinfectados certas práticas como a tatuagem, o piercing, a acupultura, fazer a barba no barbeiro, alguns tipos de depilação, tratamentos dentários e de manicura ou pedicura.
Não é suficiente desinfectar só com álcool!

sideny disse...
alex

ve-la tu eu estava mesmo covencida do contagio sexual tambem,alem dos outros que mencionas-te no post.
mas ha cura para a hepatice c, coisa que no hiv ainda nao existe.
tudo vai correr bem
bom post muito esclarecedor.
beijocas

2 de Fevereiro de 2009 13:05