domingo, 12 de abril de 2009

PERPLEXIDADE

A criança estava perplexa.Tinha os olhos maiores e mais brilhantes do que nos outros dias,e um risquinho novo ,vertical,entre as sobrancelhas breves «não percebo»,disse.
em frente da televisão ,os pais .Olhar para o pequeno ecrã era a maneira de olharem um para o outro .Mas nessa noite ,nem isso .Ela fazia tricô, ele tinha o jornal aberto. Mas tricô e jornal eram alibis.Nessa noite recusaram mesmo o ecrã onde os seus olhares se confundiam. A menina, porém ,ainda não tinha idade para fingimentos tão adultos e subtis, e sentada no chão , olhava de frente ,com toda a sua alma.E então o olhar grande, a rugazinha e aquilo de não perceber.
«Não percebo», repetiu.
«O que é que não percebes?», disse a mãe por dizer ,no fim da carreira, aproveitando a deixa para rasgar o silêncio ruidoso em que alguém espancava alguém com requintes de malvadez.
«Isto por exemplo.»
«Isto o quê?»
«Sei lá. a vida»,disse a criança com sereiedade.
O pai dobrou o jornal quis saber qual era o problema que preocupava tanto a filha com oito anos, tão subitamente.Como de costume preparava-se para lhe explicar todos os problemas , os da artimética e os outros,
«Tudo o que nos dizem para não fazermos é mentira»
«Não percebo»
«Ora, tanta coisa.tudo.Tenho pensado muito e... Dizem-nos para não matar,para não bater. Até não beber álcool,porque faz mal. E depois a televisão...Nos filmes, nos anúncios...Como é a vida, afinal?».
A mãe largou o tricô e engoliu em seco. O pai respirou fundo como quem se prepara para uma corrida díficil.
«Ora vejamos,»,disse ele olhando para o tecto em busca de inspiração.«A vida...»
Mas não era tão fácil de explicar como isso falar do desrespeito ,do desamor, do absurdo que ele aceitara como normal e que a filha de oito anos,recusava.
«Avida...»,repetiu
As agulhas do triçô tinham recomeçado aesvoaçar como pássaros de asas cortadas.

Mªjudite de Carvalho,in O Jornal

23 comentários:

  1. Bom dia.

    Interessante este escrito em que se coloca a questão da verdade sobre a vida real em relação às crianças.O que esta menina pergunta é o mesmo que muitas outras crianças colocarão em questão ao verem e ouvirem as notícia:
    "afinal, porque me mentem?"
    E é preciso então explicar-lhes , com muito cuidado e amor, que o que lhes dizem está certo, os homens é que se portam muito mal.

    Nota à margem - Alex, não compreendi o que disse no Sino da Aldeia: "gostei mais da 2ª música". Qual música? O music player está configurado para tocar cantigas aleatoriamente. Daí, a ordem é sempre diferente de cada vez que se entra na página.
    Assim sendo, não posso saber qual foi a 1ª que ouviu nem a segunda, entende?

    UM ABRAÇO.

    ResponderEliminar
  2. Ora aí está uma criança que no próximo semestre está matriculada na catequese... ;)

    Beijoca!

    ResponderEliminar
  3. penso que devagar, devagarinho, deve-se explicar aos miudos o que é realmente a vida para que mais tarde não tenham um choque

    ResponderEliminar
  4. Oi Alexa...

    Passando para te conhecer e logo vou linkar vc para voltar e te ler com mais calma.
    Foi um prazer recebe-la em meu Avesso...

    Abraços

    Maria

    ResponderEliminar
  5. As crianças já percebem a realidade da vida. O massacre da televisão é tão grande que, elas acabam por perceber. Apenas e, ainda, existe uma pequena dúvida e, essa, é a que vai direitinha aos pais. A vida é galopante, quase não dá tempo a ser-se adulto.

    até

    ResponderEliminar
  6. Olá Alex, e obrigada pelas visitas... imensas desculpas por andar nas "nuvens" só agora vi o slid...

    não sei se existe explicação para o absurdo que é a vida... tb gostava de ter alguém que me explicasse como se eu tivesse 2 anos algumas coisas que acontecem... sabem as crianças e os animais as resposta para tantas coisas que só não vemos porque não queremos...
    não adianta mentir ás crianças... nem mesmo ás de 2 anos... hoje a minha sobrinha com 2 anos disse:- tia vamos ver o gato Hugo...- a tia não tem chaves o Filipe é que tem... ela foi ao primo, "Pipe as chaves?"...- A tia é que as tem.... disse ele... ela procurou as chaves veio ter comigo a rir e disse - Tia as chaves... vamos agora ver o gato Hugo... e lá fomos nós... até estas mentirinhas deviam ser abolidas... as crianças têm um filtro nos olhos e brancura no coração....

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Este texto retrata a vida de fachada de tantos casais onde "Olhar para o pequeno ecrã era a maneira de olharem um para o outro.Mas nessa noite, nem isso.Ela fazia tricô, ele tinha o jornal aberto. Mas tricô e jornal eram álibis. Nessa noite recusaram mesmo o ecrã onde os seus olhares se confundiam.".
    Quantos casais - já separados emocionalmente há muitos anos, muitos abençoados por maus tratos- se mantêm juntos pelos filhos, pensando sempre que crescem e são melhores com um pai e uma mãe? Pois é...e as crianças podem ter tudo, até ajuda nos trabalhos de casa, retóricas mas sabem muito mais do que julgamos e crescem num mundo do faz de conta e daí a enorme tristeza e divagação dessa criança perante o que via na televisão ou eventualmente não estava a ver nada e sua pergunta encerra muito mais do que as suas palavras.
    "Tudo o que nos dizem para não fazermos é mentira"
    Com oito anos já tinha registos suficientes para poder acrescentar e porque vós pais dizem-me isto e aquilo e afinal não se amam?
    O relacionamento de um casal influencia tudo numa criança.
    Seriam bom que todos os pais fossem felizes, mas quando divagam..."Mas não era tão fácil de explicar como isso falar do desrespeito, do desamor, do absurdo que ele aceitara como normal e que a filha de oito anos, recusava." Pois é...pois é...
    Separados podem ser bons pais e boas mães, mas até nisso a nossa sociedade está recheada de, ao que eu chamo "crianças mochilas" de cá para lá, de lá para cá onde os adultos não se entendem e guerreiam-se com recadinhos bem agressivos através dos filhos.
    Como diz "f@" "as crianças têm um filtro nos olhos e brancura no coração."
    Ao longo da minha vida lidei com casos, todos diferentes mas tão iguais no que me causava: perplexidade!!!
    Uma criança não pede para vir ao mundo e quantas delas têm como colo o vazio de tudo?

    Um grande texto e obrigado pela partilha

    ResponderEliminar
  8. Por vezes lamentamos a falta de tempo para os filhos, outras vezes dizemos que eles têm outra maneira de ver a vida, muito diferente da nossa, e assim há muito quem se demita das suas obrigações enquanto pais.
    Não é simples, mas na maior parte dos casos, a presença, o diálogo, a convivência e a disponibilidade fazem milagres.
    Abraço do (avô) Zé

    ResponderEliminar
  9. As crianças e as perguntas que nos fazem.A vida é dificil de explicar a uma criança e ainda mais com tudo que se vê pelo mundo.Um beijo

    ResponderEliminar
  10. Olá, boa tarde!

    Passei para ler os textos e deixar

    os meus cumprimentos calorosos.

    ResponderEliminar
  11. Alexa

    É um texto muito interessante e que eu não conhecia.
    As crianças têm a particularidade de verem o óbvio, aquilo que os adultos acabam por deixar de ver.
    Porque deixam de ver os adultos? É uma boa pergunta!

    Abraço

    ResponderEliminar
  12. Obrigado_______________________

    Um abraço amigo «««

    ResponderEliminar
  13. É um texto para uma boa reflexão. O retrato de tantas vidas, infelizmente... dessas vidas que estão criando as nossas crianças!

    ResponderEliminar
  14. Olá minha nova amiga.
    Você retratou o dia de hoje das nossas crianças.
    Precisamos dar mais diálagos, e ser mais calorosos com nossas crianças.
    Elas as vezes enxergam coisas que as vezes procuramos ocultar.
    Realmente é um texto de muita reflexão.
    Parabéns...
    Sua nova amiga.

    Regina Coeli.
    Beijinhos doces, minha amiga.
    Muita paz.
    Aguardo sua visita ao me cantinho.

    ResponderEliminar
  15. Alex,

    Agradecendo a visita que me fez, vim conhecer o seu espaço, fiz uma primeira leitura em diagonal e confesso que gostei.
    Logo, voltarei com mais tempo para ler com atenção e comentar.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  16. Passei e deixo o meu abraço, Alexandrina.

    ResponderEliminar
  17. Hoje deixei lá pelo meu espaço música (para adultos), mas ainda assim bem a propósito dos tempos que vivemos.
    Cumps

    ResponderEliminar
  18. Alexa... os adultos andam demasiado atarefados e as crianças demasiado atentas! Estão a alterar-se todos os valores e conceitos numa sociedade em vertigem...

    Este belo texto é um excelente tema para reflexão!


    Um beijo!

    ResponderEliminar
  19. Não é difícil falar com uma criança, precisamente porque ela vê tudo muito claro, só é preciso falar-lhe com verdade, com a mesma pureza que ela tem e com sentido de esperança. Muitas vezes a televisão mostra com demasiada insistência o lado mau da vida, é preciso também mostrar-lhe o outro lado, criar-lhe espaços de esperança e mesmo que a relação dos pais não funcione tão bem quanto seria desejável, é bom que algum de entre eles ou os dois de preferência não se furtem às questões como estes pais, fugindo para um mundo de faz de conta e deixando os filhos entregues à violência que lhes entra pelos olhos dentro, sem estarem ali a acompanhar com espírito crítico, aproveitando os temas para debate e formação ou mudando de programa quando conveniente, ainda que explicando porquê.
    Quando as crianças perguntam só querem verdade e amor e amá-las é estar com elas, esclarecê-las, debater com elas. Infelizmente a maior parte das vezes a atitude dos pais é uma atitude apática, comodista e demitida de responsabilidades.
    Voltarei para conhecer melhor o seu espaço.
    Gostei muito
    Beijinhos para si.

    ResponderEliminar
  20. Pois é.
    As crianças fazem muitas vezes perguntas bem difíceis de responder.
    Como é a vida afinal? Pergunta simples de fazer mas de uma complexidade de explicação quase inatingível.
    Nós que somos pais conhecemos a dificuldade mas, continuo a pensar que o melhor mesmo é transmitirmos valores e, sobretudo exemplos. Afinal, como que somos "transformados" em paradigmas...
    Depois, saber o que é vida, aprende-se vivendo...

    Abraço amigo,
    Maria Faia

    ResponderEliminar